O Congresso Nacional aprovou nessa quinta, dia 13, os nomes dos indicados para compor o Conselho de Comunicação Social no próximo biênio. A matéria, que já havia entrado em uma pauta anterior do Congresso, foi um dos últimos itens aprovados antes do recesso, sob protestos do PSOL que alegou falta e discussão e espaço para fazer considerações sobre os nomes apresentados.

 

Entre as novidades da chapa aprovada está a presença, como indicação da CNBB, Dom Darci Nicioli, suplente entre os representantes da sociedade civil. Como indicação da presidência do Senado, de Fábio Andrade, diretor de relações institucionais da Claro Brasil, controladora da Net, maior operadora de TV por assinatura do Brasil. É a primeira vez que o setor de telecomunicações tem um representante no Conselho de Comunicação Social, ainda que não haja vaga específica prevista para empresas deste setor (por isso a inclusão via presidência do Senado). Vale recordar que a Lei do SeAC (Lei 12.485/2011), como já acontecia com a antiga Lei de TV a Cabo, determina que a regulamentação de TV paga deve ser submetida para a apreciação do Conselho de Comunicação Social.

 

Uma mudança em relação à chapa que vinha sendo discutida foi a exclusão da representação do Coletivo Intervozes, que milita pela democratização das comunicações. O nome de Bia Barbosa, que seria titular, ficou de fora. Os movimentos de democratização tinham ainda outras duas suplências: Renata Mielli (FNDC) e Renato Godoy (Instituto Alana, focado em questões da infância). Ambos ficaram fora das suplências na chapa final.

 

Ao final, foram aprovados os seguintes nomes:

 

Representante das empresas de rádio:

 

  • José Carlos da Silveira Júnior (Titular – Indicação da Aber)
  • João Camilo Júnior (Suplente – Indicação da Abratel)

Representante das empresas de televisão:

  •  José Francisco de Araújo Lima (titular reconduzido – Indicação da Abert)
  •  Juliana dos Santos Noronha (suplente – Indicação da Abert)

Representante das empresas de imprensa escrita:

  •  Ricardo Bulhões Pedreira (Titular – Indicação da ANJ)
  •  Maria Célia Furtado (Suplente – Indicação da Aner)

Engenheiro com notórios conhecimentos na área de comunicação social:

  • Teresa Mondino (Titular – Indicação da SET)
  • Paulo Ricardo Balduino (Suplente – Indicação da SET)

Representante da categoria profissional dos jornalistas:

  • Maria José Braga (Titular – Indicação da Fenaj)
  • Valéria Baptista de Aguiar (Suplente – Indicação da ACRJ)

Representante da categoria profissional dos radialistas:

  • José Antonio de Jesus da Silva (Titular – Indicação da FITERT)
  • Edwilson da Silva (Suplente – Indicação da FITERT)

Representante da categoria profissional dos artistas:

  • Sydney Sanches (Titular reconduzido – Indicação da UBC)
  • Jorge Coutinho (Suplente reconduzido – Indicação da SATED)

Representante das categorias profissionais de cinema e vídeo

  • Luiz Antonio Gerace da Rocha e Silva (Titular reconduzido – Indicação do STIC)
  • Sonia Teresa Santana (Suplente – Indicação do SINDCINE)

Representante da sociedade civil

  • Miguel Matos (Titular – Indicação do Portal Migalhas)
  • Patrícia Blanco (Suplente econduzida – Indicação do Conar)
  • Murillo de Aragão (Titular reconduzido – Indicação do Ibrade)
  • Luiz Carlos Gryzinski (Suplente – Indicação da ABTVU)
  • Davi Emerich (Titular reconduzido – Indicação do Sindilegis)
  • Domingos Meirelles (Suplente – Indicação da ABI)
  • Marcelo Antônio Cordeiro de Oliveira (Titular reconduzido – Indicação do Instituto Ria)
  • Ranieri Moacir Bertolli (Suplente – Indicação da Acaert)
  • Fábio Augusto Andrade (Titular – Indicação da Presidência do Senado)
  •  Dom Darci José Nicioli (Suplente – Indicação da CNBB)


 

Signis Brasil/ Tela Viva